segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Crónica de uma Noite de Verão

O que teremos a dizer à noite, dado que é nela que sentimos o beijo das ausências, tal como o contacto de peles alheias que sentimos na cama e nos perturbamos com insónias e vazio e angústia, um absurdo de movimento sem destino, e a pele que julgámos sentir uma prega de lençóis esquecidos, e saímos à rua e é um mundo de sombras lunares e são grilos que nos acompanham nestes pequenos escapes, dado que é verão, uma noite de verão, e estamos secos, boca seca, olhos secos, miolos secos, tripas secas, e beijamos o gargalo da garrafa de cerveja, e na falta de cerveja bebemos pegões, e na falta de tudo buscamos a memória das vidas sentidas e experimentamos a saudade, porém, quando nos deixamos de merdas assumimos que não há saudades, há mariquices, esta necessidade de nos prendermos ao passado porque temos medo do estalo que vem ao virar da esquina, há toda esta necessidade de nos mentirmos como se a ficção fosse, de alguma forma, mais tolerável de viver que a sobriedade das vidas comuns, e é a trocar o passo que voltamos à cama, e esperamos que os mosquitos nos deixem as veias em paz e que nos chupem este medo de viver. 

1 comentário:

Rogerio G. V. Pereira disse...

"Pessimismo é desistir antes de começar"

disse alguém
digo eu também